Ayrton Senna foi um piloto brasileiro de automobilismo que marcou a história da Fórmula 1.

Foi campeão mundial em 1988, 1990 e 1991

Em 10 anos de Fórmula 1 competiu em 116 corridas, conquistando 65 pole position e 41 vitórias.

Há ainda o registo de 2982 voltas na liderança, 19 das quais, foram as mais rápidas. E como menciona a imagem, em cima, conquistou a Fórmula 1 em três anos.

Venceu em 6 ocasiões o Grande Prémio de Mónaco, onde se tornou conhecido como o “O Rei de Mónaco”.

O início

Ayrton Senna nasceu em São Paulo, Brasil, no dia 21 de março de 1960. Com apenas 4 anos de idade ganhou o primeiro kart. Com 7 iniciou treinos no kartódromo de Interlagos, em São Paulo.

Conquistou vários títulos no kart. Campeão brasileiro, campeão sul-americano e vice-campeão mundial em 1979 e 1980, só para citar alguns. Conquista o primeiro título, em 1881, na Fórmula Ford.

Em 1982 entrou para a Fórmula 2000, onde também foi campeão. No ano seguinte, vai competir na Fórmula 3 e conquista o campeonato.

 A Fórmula 1

Por essa altura, Sena recebe várias propostas de equipas como a McLaren, Williams, Brabham e Toleman. Assina pela Toleman em 1984, onde dá nas vistas alcançando vários pontos ao longo da época.

Em 1985 muda-se para a Lotus e ganha a primeira corrida, no Grande Prémio de Portugal.

Com um Lotus, considerado até hoje um dos carros mais bonitos de sempre da F1

Competiu com esta equipa em 48 provas entre 1985 e 1987, tendo vencido 6 delas.

1987 marca a entrada na McLaren, onde se torna campeão em 1988. Foi no GP do Japão, em Suzuka, que sobe ao pódio, pela primeira vez, aí sim, como campeão mundial da Fórmula 1.

No ano seguinte é vice-campeão. Em 1990 e 1991 conquista dois campeonatos seguidos.

Senna a festejar com a bandeira do Brasil a bordo de um McLaren

Em 1994 é contratado pela Williams. A estreia acontece em Interlagos acontece com uma pole position.

Mas uma colisão, faz com que seja obrigado a abandonar a prova.

A época que nunca acabou

Foi no Grande Prémio de San Marino, em Imola, que Senna guiou naquela que viria a ser a sua última corrida.

Ao volante de um Williams

Perdeu o controlo devido a uma barra da direção que partiu. Seguiu em direção aos muros laterais, onde chocou de forma violenta.

A telemetria mostrou que ao perceber que ia bater, tentou, mas sem sucesso.

Era o ponto final de uma carreira impar e que marca a história da Fórmula 1, para sempre, e que pode ser vista num documentário.