Entra nesta viagem da bet.pt pelas histórias das finais dos europeus de futebol em seleções.

A história

O Campeonato Europeu de Futebol organizado pela UEFA é um torneio que foi realizado pela primeira vez em 1960.

A primeira seleção vencedora foi a União Soviética. Levou a melhor sobre a Jugoslávia, por 2–1, em Paris, após prolongamento.

A final mais recente, foi disputada em terras gaulesas, no ano de 2016. Portugal venceu a França, graças a um golo do herói, mais improvável de sempre, Éder.

Esse golo aconteceu num prolongamento de grandes emoções.

A mecânica

O jogo da final trata-se de um jogo onde se vai apurar a seleção campeã. Se após 90 minutos o resultado for um empate, haverá 30 minutos de prolongamento.

Caso o encontro continue empatado, começará o desempate por grandes penalidades.  

Das 15 finais disputadas até agora, 6 acabaram empatadas dentro dos 90 minutos, com os vencedores a serem encontrados de diferentes maneiras.

Por prolongamento, aconteceu em 1960 e 2016. Em 1968, a decisão do campeão foi encontrado ao fim de 2 jogos.

Também houve decisão através do golo de ouro. Ocorreu em duas finais: 1996 e 2000.

Alemanha e Espanha são as seleções com mais títulos na história de um Euro. Cada uma destas equipas nacionais tem 3 títulos. Segue-se a França com 2 canecos.

Seleções como Portugal, Itália, União Soviética, Holanda, Dinamarca, Jugoslávia, Bélgica e República Checa têm, cada um, 1 troféu desta competição.

A lista das finais

Finais dos anos 60

A primeira final de um Campeonato Europeu aconteceu em julho de 1960 no estádio Parc des Princes, em Paris, na França entre União Soviética e Jugoslávia. 

Milan Galić marcou para a Jugoslávia antes do intervalo, e Slava Metreveli empatou no início da segunda-parte. No prolongamento, Viktor Ponedelnik fez de cabeça o golo triunfo soviético.

Em 1964, União Soviética voltou a ir a uma final, mas desta vez, pela frente, teve a Espanha como adversária. 

Jesús María Pereda marcou no início do jogo para os espanhóis, porém Galimzyan Khusainov empatou 2 minutos depois. O campeão só foi definido a 6 minutos do fim, com Marcelino Martínez a marcar pela Espanha.

Itália enfrentou a Jugoslávia na final de 1968. Os italianos classificaram-se para a final através de um sorteio após terem empatado a zero a União Soviética na meia-final.

O jogo final acabou empatado (1–1). Havendo uma espécie de “segunda mão” dois dias depois. A Itália acabou por vencer por 2–0. Luigi Riva e Pietro Anastasi marcaram os golos deste encontro.

Nos 70’s

Agora saltamos para 1972, onde teve lugar um encontro entre a União Soviética e Alemanha Ocidental que venceu por 3-0. Gerd Müller marcou 2 golos e Herbert Wimmer fez o outro.

Em 1976, voltaram a ir a uma final, onde enfrentaram a Checoslováquia. Com um empate aos 90 minutos (2-2). O prolongamento não teve golos. A decisão aconteceu através da marcação de grandes penalidades. Antonín Panenka converteu o golo da vitória da Checoslováquia, 5-3-.

Os loucos anos 80

Começam com uma final entre a Alemanha Ocidental e a Bélgica. Na terceira final seguida, aconteceu a segunda vitória da Alemanha Ocidental por 2-1. Horst Hrubesch bisou para os alemães enquanto que René Vandereycken fez o golo belga.

Quatro anos depois, final novamente em Paris, teve a anfitriã França a medir forças com a Espanha. Michel Platini e Bruno Bellone marcaram os golos da vitória francesa.

Platini terminou a competição com 9 golos marcados, um recorde que permanece até hoje.

A Holanda, ou Países Baixos, como agora são chamados, teve a sua primeira final num Euro em 1988. O adversário foi a União Soviética.

Ruud Gullit e Marco van Basten marcaram os golos do triunfo holandês.

Nos anos 90

Em 1992, a Jugoslávia foi expulsa deste torneio, com a Dinamarca a ser convidada para participar. E curiosamente acabou a vencer a Alemanha, agora unificada,

e acabou se classificando para a final onde enfrentou a recém unificada Alemanha, por 2-0. John Jensen e Kim Vilfort foram os marcadores dos golos.

Wembley recebeu a final de 1996 com a República Checa e a Alemanha a jogarem um prolongamento depois do 1-1 (Patrik Berger e Oliver Bierhoff), ao final dos 90 minutos.

Aos 5 minutos do primeiro tempo extra, Bierhoff marcou novamente (o primeiro golo de ouro da história do Campeonato Europeu) e  deu o título à Alemanha.

De 2000 em diante

A final de 2000 também foi decidida com golo de ouro. A França, campeã do Mundial 1998, enfrentou a Itália na segunda final da história das duas seleções. 

Marco Delvecchio marcou primeiro para os italianos aos 10 minutos da segunda parte, porém Sylvain Wiltord empatou o jogo.

No prolongamento, David Trezeguet garantiu o segundo título da França nesta prova.

2004 foi para a própria UEFA, “uma das maiores surpresas da história deste torneio” quando a Grécia levou a melhor sobre o anfitrião Portugal por 1–0 na final.

Bastou um golo solitário, de cabeça, de Angelos Charisteas após um canto marcado por Angelos Basinas.

Em 2008, a Alemanha foi à sexta final da sua história, onde enfrentou a Espanha. Fernando Torres marcou o único golo deste jogo.

Os campeões de 2008 classificaram-se para a final de 2012, onde tiveram pela frente a Itália. David Silva, Jordi Alba, Fernando Torres e Mata marcaram os 4 golos do triunfo espanhol.

A anfitriã França chegou à final, pela terceira vez na sua história, em 2016 para medir forças com Portugal. A equipas das quinas estava na sua segunda final.

Após um empate sem golos ao fim de 90 minutos. As equipas jogaram o prolongamento, onde Éder chutou e fez o golo história da única vitória lusa, até agora, num Europeu de futebol para seleções.

E no Euro 2020, que história vamos aqui escrever?